19

outubro 2016

referencia1

Finalmente nos mudamos!  Quem acompanha lá no insta já sabe que faz quase 2 semanas que chegamos no aptox e tem sido uma coisa alucinante. Móveis para montar, bagunça para arrumar, coisas para pintar…. Aquele momento gostoso de finalmente colocar tudo no lugar… é cansativo, um pouco estressante, mas extremamente satisfatório, ao ver que tudo que planejamos por meses, finalmente é real. E por isso vamos compartilhar hoje mais uma postagem sobre a construção do aptox, falando especialmente do momento que antecedeu tudo: nossa busca por referências. Acreditamos que compartilhar isso seria legal porque poderia inspirar outras pessoas a também fazer a mesma reflexão que julgamos tão importante para a consolidação de um novo lar.

A primeira coisa que fizemos quando começamos a planejar, foi conversar sobre qual estilo queríamos para nossa casa. Talvez para muitos não faça  menor sentido, mas nós já patinamos muito com escolhas erradas e dessa vez realmente queríamos fazer diferente. Então conversamos e conversamos. Foi um processo cansativo, com alguns atritos e muitas resoluções. Diríamos que foi até extenuante, mas que sem ele não teríamos conseguido chegar até aqui. Os resultados são visíveis e estamos muito satisfeitos com o processo. Fizemos escolhas erradas? sim, porque fazem parte do aprendizado. Mas com certeza a quase absoluta maioria foi de acertos e no fim, é o que mais importa.

E porque eu deveria pensar nas referências da minha casa?

Nós poderíamos listar vários motivos. Mas o principal deles é a clareza. Quando se tem clareza do que somos, do que gostamos, do que valorizamos, é mais fácil saber o que queremos. A chance de construir um verdadeiro lar (aquele que reflete quem somos) é maior. Além disso, temos a praticidade, a economia, e a consciência. Quando Construimos uma casa com mais clareza, a chance de ser algo duradouro é maior. Os investimentos trazem mais retorno e satisfação e tudo é mais permanente. Sua vida agradece, seu bolso agradece, o planeta agradece.

Falamos por experiência própria. Nossa primeira casa foi um desastre. 2 meses depois não gostávamos de nada. O primeiro apê era um pouco mais a nossa cara, mesmo assim mudamos quase tudo 2 vezes em 3 anos. Além do que, nossa casa era um Frankenstein de coisas fora do lugar. Não tinha coerência nenhuma. Então chegou o momento que percebemos que não dava, não era sustentável. Então sentamos, priorizamos, focamos, debatemos muito (muito mesmo), até chegarmos nesses pontos comuns. Porque queríamos uma casa que fosse nossa, que fosse coerente, que tivesse muitas analogias da nossa vida juntos, e que fosse duradoura. Um verdadeiro lar. Hoje olhando o caminho percorrido, vejo isso em cada escolha, e cada detalhe! Por isso convido vocês a refletirem sobre o assunto. No post de hoje comentarei nossas escolhas, e acredito que poderão dar uma iluminada no assunto, para quem se sente perdido nessas questões!

referencia2

Estilos de decoração

  1. Escandinavo: Apesar da febre em torno desse estilo nos últimos anos, para nós, sempre foi a melhor referência para unir tudo que eu e o bru valorizamos em uma casa. Isso porque o estilo escandinavo mescla um certo ar de tradição, com um toque de contemporaneidade que reflete bem nossos gostos pessoais. Eu sou bem contemporânea, adoro preto&branco, texturas abstratas, bichinhos divertidos… E o bru é clássico. Adora coisas tradicionais e preza pelo conforto. Então encontramos no escandinavo uma releitura pessoal da nossa vida em conjunto. Priorizamos refletir esse estilo nas nossas escolhas de decoração. Muitos pelegos, tapetes geométricos, coisas abstratas, e prioritariamente, móveis claros e muito branco.
  2. Provençal: Esse foi um dos estilos que demoramos a perceber, mais por minha parte, confesso. Eu não gosto muito de coisas bem elaborados, e muito rococó, e sempre achei o provençal romântico demais. Mas o Bruno adorava, então tentamos mesclar. Até que no processo eu fui percebendo que no que tange a móveis, todos os meus favoritos refletiam mais esse estilo (meio romântico e clássico) e aceitei que definitivamente, meu lado canceriano tende a se apaixonar por coisas provençais. Dai priorizamos esse estilo na escolha dos móveis, que em sua maioria, seguem esse padrão
  3. Industrial: Esse foi um estilo muito polêmico. No começo eu amei, depois odiei e agora eu meio que estou: Ok, é legal. Acho que por ser tendência, acabei me deixando levar no começo. O bruno gosta bastante, da predominância de metais, das cores mais escuras, e do aspecto bruto dos elementos (obviamente pelo lado aquariano dele, risos). E eu também curti no começo. Mas com o passar do tempo refleti muito e cheguei a conclusão que sou “leve” e “romântica” demais para esse estilo, e acho tudo muito pesado. Dia mantivemos mais em objetos de decoração e na iluminação, que é totalmente industrial.
  4. Tropical: Tem como viver nessa terra abençoada e não desejar estar cercado de plantinhas e ter um sol maravilhoso batendo na janela? Os europeus que me deem licença. Amo o urbanismo da Europa. Mas a arquitetura brasileira é “in natura”, e é perfeita. Não tinha como não trazer isso para nossas vidas. O branco favorece o sol que entra pela janela, e cultivamos diversas espécies de plantas (muitas delas tropicas) que dão uma vida e cor em nosso lar. Além disso na decoração trouxemos alguns elementos tropicais, como flamingos, que eu particularmente AMO!

mudni

Pelo mundo

  1. França: O favorito do Bruno. Referência para tudo, decoração, tradição, gastronomia… Eu não sou fã. Particularmente, acho a França antiquada demais. Mas em uma construção conjunta devemos priorizar os gostos de ambos, e trouxemos muita referências de filmes e da cultura Francesa.
  2. Suécia: O bruno gosta muito de toda a Europa, eu sou apaixonada pela Escandinávia. Sou uma pessoa muito do presente sabe? adoro coisas contemporâneas e acho os países nórdicos um verdadeiro exemplo em quase tudo. A Suécia em especial é meu favorito, por ser o mais descolado deles. Trazemos muitas referências de Estocolmo, que é uma cidade que traz o melhor do passado e do nosso futuro (uma piada interna entre nós).
  3.  Estados Unidos: Sim, sim, SIM! Eu nunca escondi que é meu país favorito do mundo. Eu me inspiro muito na cultura norte americana. Por puro preconceito, muita gente julga os EUA como uma cultura de futilidade e alienação, mas poucos a conhecem o suficiente para julgar com autoridade esse assunto. Eu particularmente sou grande apreciadora. A música, a culinária (principalmente sulista), e mesmo no que tange ao entretenimento (minhas séries e filmes favoritos são de lá). Por isso eu me inspiro muito. Tenho várias referências desde pequena, de muitas coisas que eu queria que tinham tudo a ver com a cultura norte americana. Ela está presente em todo o contexto da casa, mas principalmente na cozinha,porque é a coisa que mais gosto nos EUA. O bruno particularmente não gosta, mas estamos quites com a França! risos
  4. Brasil: Como brasileiros, nossa casa sempre vai refletir o modo de vida ao nosso redor. tentamos priorizar o que o brasil tem de melhor. São muitas referências, das gambiarras, do jeitinho criativo, da natureza, das contradições…

Filosofias de vida

  1. Minimalista: Priorizamos tudo que é essencial em nossas vidas. A quantidade de coisas, a qualidade delas, tudo passa pelo crivo dessa filosofia essencialista. Não só por termos pouco espaço, mas por termos pouco tempo de vida, acreditamos que todo o tempo e recursos devem ser priorizados.
  2. internacionalista/antropofágico: Apesar de nos inspirarmos em alguns países específicos, acreditamos que o mundo é maravilhoso. A diversidade cultural do planeta é a maior riqueza que temos, então priorizamos o respeito a todas as culturas, e não julgamos por superioridade. Assim, na nossa casa, há reflexos de uma visão global mesmo, porque acreditamos na visão antropofágica, onde tudo dever ser digerido, e disso tiramos uma coisa nova, uma síntese entre os mundos. Acreditamos nisso na vida, e trouxemos isso pra casa 🙂
  3. Racionalista: Priorizamos a funcionalidade de tudo. Tudo foi racionalizado, medido, contado. Porque? não somos ricos, então cada recurso nos custa. Tempo, vida, foco… Buscamos delinear nossa vida para torna-la mais funcional, e com isso gastamos nosso tempo com o que realmente importa. O tempo economizado com a manutenção da casa (porque pensamos nela o mais funcional possível), gastamos com nossos hobbies, estudos, trabalho, pessoas… Com a vida! Mas claro que não deixamos de priorizar também nossos gostos. Então funcionalidade sim, mas com a nossa personalidade.

Bônus: Um documento divertido para ajudar no processo de escolhas de referências.

Se você chegou até o fim, parabéns! Você com certeza está muito motivado a fazer da sua casa, um espaço mais a sua cara! Eu espero que você consiga. Não deixe de compartilhar sua opinião, dúvidas e experiências. Vamos adorar trocar ideias com vocês 🙂


Escrito por
Jess

Salada de rúcula, croutons e lombo à manteiga
Uma saladinha para começar a semana incluindo opções saudáveis e leves ao cardápio! Essa receita é simples e  perfeita como sugestão de almoço prático para a semana. Você vai precisar de: 4 fatias de pão de forma 50gr de azeite orégano à gosto 5 colheres de manteiga 150gr de lombo picado em fatias pequenas 1 cebola média 1 maço de rúcula Corte as fatias de pão de forma em (...)



Deixe seu comentário! Vamos adorar ler sua opinião :)





Que bacana, eu e meu namo meio que arrumamos uma espécie de “flat” para morar, e as paredes eram verdes, bati o pé pra ser cinza. E já estamos com a cozinha quase pronta. MAs tô dia tenho uma referência nova, quero que seja com tons neutros, mas com algum detalhe pra da cor.

Jess

que massa 🙂 eu adoro a ideia de neutros com pontos de cores. Espero que fique lindo. Se compartilhar, me avisa pra eu ir dar uma espiadinha? Adoro essas coisas!

Menina, que organização hein? Arrasou em tudo! Escolher conceitos pra iniciar qualquer projeto sempre dá uma clareada né? Como Designer, eu vejo isso sempre!
Estou ansiosa pra ver as fotos do aptox, tenho certeza que deve estar lindo! <3

Jess

estou ansiosa para postar sobre! risos
E sim, dá uma enorme clareada, faz a gente ver o que realmente importa.

Que post incrível! Eu e meu namorado estamos começando a planejar como será nossa casa e esse post veio na hora certa. Mal posso esperar pelas fotos do aptox!

Adorei os conceitos e a forma de planejar o apartamento. Nunca tinha parado pra pensar nessa organização antes mesmo da mudança. Achei ótima a ideia pois dá pra economizar bastante comprando só o que vocês realmente gostam, além de tornar o ambiente mais funcional e com um “prazo de validade” beeeem longo.

Mas vou te dizer, gosto de tanta coisa misturada que até hoje não sei qual meu estilo. Parece que a cada momento estou em uma vibe diferente. Já quis um quarto rústico/indiano/tailandês, já quis um espaço beeem minimalista e branquinho… tá difícil, amiga! Hahaha

Beijos!

Jess

super te entendo porque sou uma pessoa beeeeeeeeeem mutável também.
Mas uma coisa que percebi nesse processo foi que se encaixar em um único estilo é bem complicado. Por isso que a mistura de tudo é que é mais chance de sucesso. Por exemplo: acho super possível um quarto minimalista com pequenos toques rústicos e detalhes da cultura oriental. Já vi várias referências e acho lindo. nós mesmos não acertamos 100% o tudo no apê. mas a cada erro íamos percebendo o que não nos agradava a longo prazo e por consequência, aquilo que permanecia. Eu acho isso tão gostoso que é quase um exercício de autoconhecimento! <3