23

fevereiro 2017

Hoje vou começar a mostrar para vocês cada pedacinho que compôs o nosso casamento, começando pela nossa cerimônia. Inicialmente, gostaríamos que todo o nosso casamento fosse realizado na Teakettle. A ideia de casar no jardim de uma casa de chás era completamente a minha cara e a do Léo, porém a casa de chás comportaria algo em torno de 60 pessoas e essa ideia pareceu trazer mais problemas do que resoluções para nós. Eu pretendo abordar esse assunto em um post só sobre as dificuldades de se realizar um casamento, o que vocês acham? O resumo da ópera é que daria sim para fazer isso, mas exigiria uma carga energética emocional que nós, sinceramente, estávamos sem. Começamos então a pesquisar lugares onde pudéssemos concretizar nossos planos da forma mais harmônica possível. Chegamos a mudar a ideia do casamento, passando a pesquisar orçamentos de chácaras, salões, enfim… A maior parte das coisas era muito fora do nosso bolso. Sério gente, eu me assustei tanto quando comecei a pedir orçamentos e cair na real de quanto custa se casar que cheguei a pensar em desistir muitas e muitas vezes. 

Além do fator orçamento, uma coisa que nos limitava muito era a logística. Casar em uma chácara mais simples na região de Arujá ou Santa Isabel foi uma opção para nós também, porém iria exigir um tempo e dedicação maior do que poderíamos naquele ano. No fim das contas, depois de muito pesquisar, decidimos que para o nosso caso o melhor seria uma cerimônia aberta, onde todas as pessoas que nos queriam bem pudessem ir e celebrar conosco a nossa união. Apesar da mudança de planos, eu não me arrependo, porque tivemos a oportunidade de receber carinho e boas energias de muitas pessoas. Fomos surpreendidos mais de uma vez com a consideração que pessoas não-prováveis demonstraram para conosco. 2016 foi um ano muito difícil para nós, acho que para todos né? Tivemos muitas batalhas e isso foi meio que uma forma da vida entrar em equilíbrio, de nos mostrar que existem coisas boas. Essa foi uma das melhoras coisas do casamento. 

Chegamos a visitar duas igrejas em São Paulo, a Anglicana e a Escandinava. As duas são absolutamente lindas! Acabamos optando pela Escandinava. A estrutura da igreja é realmente muito bonita, com muito aço, madeira, concreto e tijolos. Seguindo o estilo escandinavo, a tapeçaria em destaque foi feita por Eila Ampula, uma finlandesa que veio para o Brasil e se tornou famosa pelo seu trabalho com tapeçaria. Suas obras estão em exposição na Suécia, Finlândia, Estados Unidos e Japão, entre outros.

Não tivemos madrinhas e padrinhos no nosso casamento, quem entrou nessa posição foram nossos irmãos. Eu e e o Léo entramos com nossos pais, mãe e pai, sem distinção. A florista foi a sobrinha do Léo e nossos priminhos gêmeos levaram as alianças. Além disso minha prima foi quem organizou toda a logística do dia (obrigada, Lala! ) da forma mais impecável possível. Entrar com nossos pais foi uma das melhores coisas que fizemos também, minha mãe ficou muito feliz em poder fazer isso e meu pai achou super legal. Recomendo.

A parte da música foi uma coisa delicada para mim. Eu queria muito ter feito a música do nosso casamento, mas com toda a correria e intensidade de 2016, eu não estava conseguindo. Essa ideia então se tornou mais um peso imenso e sensação de fracasso do que realmente uma coisa boa pra gente. Eu tive que abrir mão. Hoje vejo que talvez essa tenha sido a coisa mais difícil que eu tenha aberto mão no casamento, mas acontece, o importante é você ser feliz. Se não está sendo feliz, melhor olhar novamente e pensar bem se tudo faz sentido. Foi então que começamos a pesquisar músicos e encontramos o Coral Merlyn. O diferencial deles para mim foi a quantidade de opções, além do repertório, você também pode escolher uma outra música para eles tocarem, desde que seja dentro de um prazo que eles estabelecem. Acabamos escolhendo músicas dentro do próprio repertório. Esse foi um dos melhores momentos como noivos, porque escolhemos músicas que fizeram parte da nossa história e que contavam um pouco da nossa trajetória. Foi muito especial. 

Enquanto os convidados chegavam, optamos por uma música mais leve e alegre, Jesus Alegria dos Homens, do Bach. Como o corredor era curto e não haviam padrinhos, pensamos que uma só música para a entrada do noivo e dos irmãos daria uma sensação de continuidade e conforto maior. Não me agrada muito muitas mudanças de música, quando você começa a curtir ela acaba e já começa outra… Queríamos algo mais coeso. A escolha perfeita foi a música que mais fez parte da nossa vida como casal, Canon de Pachelbel. Em uma das nossas primeiras saídas fomos em uma livraria e abrimos juntos um livro de música, caiu na partitura de Canon e nós falamos juntos: “é minha música favorita!”. Não podia faltar né?! Além do significado, ela é perfeita, pois apresenta diversas passagens que dão a impressão de ser mais do que uma música em uma só, por isso a palavra Canon, de Cânone. Na música, cânone é uma composição a duas ou mais vozes entoando uma mesma melodia, que se caracteriza por essas vozes serem entoadas um pouco defasadas no tempo. O Léo abriu a entrada, com seus pais, seguidos pelos nossos irmãos que entraram cada qual individualmente. Temos um casal de irmãos de cada lado, então ficou muito, muito lindo!

A florista abriria então o caminho para a minha entrada. Escolhi a música tema do filme Forrest Gump, simplesmente porque é o meu filme favorito e traz mensagens de suma importância para mim: não importam as dificuldades, procure ver o lado bom e seja a melhor versão de você mesmo, faça o bem e ame, a vida é como uma caixa de bombons. Nesse dia, isso era tudo que deveria guiar o meu caminho até o momento que tanto esperávamos.  A florista entrou rodopiando e jogando as florezinhas com muita graça, dando o tempo para a música soar por inteiro. Enfim, a minha entrada. Para ela eu escolhi a música menos provável, mas a que mais fala ao meu coração. Trata-se de uma ópera e o significado da música é um pouco triste, mas nada, nada, nada nesse mundo me toca mais do que essa música. O Mio Babbino Caro, de Puccini, tocou enquanto as portas se abriram e eu entrei, com minha mãe e meu pai ao meu lado, olhando sempre para o Léo e muito feliz por termos conseguido. 

A música da entrada das alianças foi Aquarela, a música que sempre amei desde criança. Seguida pela música que tocou enquanto fazíamos nossos votos, Todo Azul do Mar. Essa música fala muito do que sempre vimos um no outro. Sobre nossos votos, foi o momento mais especial do nosso casamento. Eu não sabia o que escrever até a noite anterior, mas no final acho que consegui exprimir o melhor das minhas palavras para aquele com quem eu quero dividir minha vida.

Para os comprimentos, escolhemos uma música alegre, mas cheia de sentimento também, Silver Strand do The Corrs. Cumprimentamos nossos pais e irmãos ali, foi muito precioso esse momento. Depois dos cumprimentos, tiramos uma selfies (hehe) e saímos ao som da alegre Hibernia. Arrozinhos foram jogados e ai, só festa! Eee! 

Na saída, foi entregue como lembrança bolos feitos em uma maratona aqui em casa. Saindo do nosso casamento civil, eu e o Léo, minha mãe, Jess e a Ju fizemos mais de 240 pedaços de bolo, com três sabores diferentes: chocolate com ganache, limão com yogurt e milho. Embalamos tudo e colocamos uns lacinhos marrons e uma tag com o carimbo do nosso casamento, que vamos mostrar na parte de papelaria.

Cumprimentamos todos os convidados, tiramos fotos e agradecemos todos pela presença no nosso casamento. Foi assim a nossa cerimônia. Relembrar tudo isso é muito bom, obrigada por me permitir compartilhar com vocês esse momento tão importante para a gente. Viva o amor! 

Fotografia por Mint Fotografias


Escrito por
Jaque

Casamento Jaque e Léo | Botânico
O post de hoje é para compartilhar com vocês um momento especial que tivemos no jardim da Escandinava. Logo após a cerimônia, saímos com as meninas da Mint procurando lugares fotogênicos para fazer nossas primeiras fotos como casados. Encontramos muitas plantinhas, que como eu sempre digo, são sempre o melhor cenário . Eu queria muito ter feito um First Look com o Léo na casa de chás antes de irmos para a igreja. (...)



comente pelo blog





13 Comentários em “Casamento Jaque e Léo | Cerimônia”


[…] post de hoje é para compartilhar com vocês um momento especial que tivemos no jardim da Escandinava. Logo após a cerimônia, saímos com as meninas da Mint procurando lugares fotogênicos para fazer […]

Casamento mais lindo, simples e de uma beleza singular. Amei cada detalhe, deu pra ver o amor em cada foto. Não ter madrinha foi uma surpresa, mas ter os irmãos entrando superou! Achei muuito lindo. Super incrivel, me inspirei! rs

Parabens Jaque e Léo e para suas familias também!

Obrigada, Lisa! ❤

Nossa, tudo foi tão lindo, tão bem organizado… dá pra perceber que vocês se dedicaram de corpo e alma a tudo isso! Tenho certeza que foi uma cerimônia linda… <3

Você arrasou na escolha das músicas! Não conhecia algumas, mas depois que ouvi pude perceber que todas elas foram perfeitas pro seu momento!

Mais uma vez, muitas felicidades!

Fico muito feliz que você tenha ouvido as musicas e gostado, Mônica! Muito obrigada pelo carinho ❤

Jess

Um dia cheio de emoção. ter percorrido todo esse caminho com você foi uma honra! 🙂 <3

<3 <3 <3

Que encanto, Jaque!

Se um dia eu me casar quero que seja assim, também, cheio de significado e com riqueza nos detalhes, não “ostentação”.

Confesso que caíram umas lagriminhas aqui ouvindo as músicas e imaginando hehe

Obrigada por compartilhar e muita felicidade a vocês dois!

Que bom ouvir isso Lu! Vale a pena… 😉

Giih

As fotos ficaram lindas. Foi encantador seu casamento.

bj bj

<3 yey gih!

Nunca chorei num casamento. Aí vim ver as fotos e ouvindo as músicas desabei aqui. Como faz? Hahahah… obrigada por dividir essas lindezas com a gente, tudo foi tão lindo! Amando acompanhar!
Beijos!

Ah, Laura! Fico muito, muito feliz em ler isso. Que presente! <3